Monthly Archives: Fevereiro 2012

E se?

Padrão

Essa é uma pergunta que vira e mexe ronda minha cabeça. Acho que deve acontecer com todo mundo. Ainda que as pessoas, para não mostrar “fraqueza”, digam que não, é impossível não passar por isso, imagino. A vida é cheia de escolhas, há infinitas combinações entre todas elas, o que poderia nos levar a infinitas variáveis. Progressão geométrica a parte, o que quero dizer é que não tem como não pensar, vez ou outra, no que poderia ter sido se…

Essa semana me peguei pensando nisso, em um dia meio chatinho. De coração, não tenho um milímetro de arrependimento e cada segundo aqui, fáceis ou difíceis, tem valido uma vida de experiências. Mas, novamente, inevitável cogitar cenários distintos. “E seu eu tivesse ficado no Brasil?”, “E se eu tivesse vindo, mas de outra maneira?”. Os pensamentos não duraram muito, mas tempo suficiente pra me fazer pensar que é uma grande perda de tempo e um atraso de vida pensar nisso. Ainda que eu saiba que vai me passar outras vezes e, sim, me permito passar por isso. Por quê não? (ultimamente tudo é filosofia pra mim…rs)

Essa é outra armadilha que as mudanças de vida nos colocam, mas tenho aprendido que o antídoto pra isso é simplesmente não pensar (ao menos tentar). Uma porque se ficarmos pensando em todos os “e se” da vida, verdadeiramente vamos ficar enlouquecidos. Segundo ponto é que simplesmente não podemos fazer nada com o que passou e as consequências das nossas decisões. Ou seja, vamos pensar pra frente, no que está por vir, que é do que temos certo controle.

Anúncios

Por que não?

Padrão

“Um homem nunca sabe aquilo de que é capaz até que o tenta fazer”, ouvi a famosa frase do escritor inglês Charles Dickens novamente na semana passada e não consigo mais tirar da cabeça. Acho que as coisas que nos marcam tem muito a ver com o momento em que vivemos. Sim, porque eu já tinha ouvido essa citação algumas vezes, mas ela nunca bateu tão forte. Na hora a escrevi num papel para ter sempre comigo e abrir sempre que encontrar uma encruzilhada da vida, num momento de incerteza, como um mantra.

Isso mexeu tanto comigo, porque é algo em que acredito piamente e, de forma inconsciente, é minha forma de agir e encarar as coisas na maior parte do tempo. Arriscar-se, jogar-se ao novo, afinal, não é uma forma de testar seus limites e, portanto, saber do que somos capazes? Certa vez li uma outra citação que dizia quase a mesma coisa. Não lembro Ipsis Litteris da frase, mas o conceito dizia que as pessoas sabem que podem fazer qualquer coisa, mas como tem sempre alguém dizendo que não vão conseguir, não tentam por achar que não vai dar certo.

Neste assunto, confesso, chego a ser um pouco subversiva. Sem exagero e longe de querer ser esnobe, mas sinceramente eu acredito que praticamente NADA nesta vida é impossível de alcançar. Não estou falando aqui de mentalização de desejos, fadas ou anjo da guarda. Tampouco de desejos como a paz mundial ou acabar com a fome no mundo (não que sejam impossíveis, mas dependem de muuuuitas variáveis, a maioria fora do nosso alcance). Estou dizendo de possibilidades concretas e atitude. Um exemplo: ter uma carta lida ou conseguir uma reunião com o (a) presidente (a) da república. Impossível? Não! Difícil. Sim! Mas se realmente for um desejo, uma necessidade, por que não tentar?

Bom, já fiz muita coisa “Joselita” por conta disso, é verdade. Mas também já tive êxitos que pareciam impossíveis, simplesmente por tentar. Os riscos (na maioria das vezes) é baixo e os ganhos podem ser altíssimos. Apelando ao senso comum, lembre-se sempre que o “não” já é certeza e que as chances de conseguir um “sim” são de nada menos que 50%. Vai desperdiçar?

México, um país, muitas crenças

Padrão

Ontem foi quarta-feira de cinzas. Ainda que não tenha aqui AQUELE carnaval do Brasil e esta tenha sido uma semana como qualquer outra, a data religiosa foi lembrada e celebrada em terras mexicanas. Eu já sabia sobre este “festejo”, mas só ontem é que me dei conta da proporção.

A primeira menção à data com que me deparei foi uma grande faixa, quase na entrada da minha universidade, com uma pequena foto de Cristo carregando a cruz e abaixo escrito “miércoles de ceniza”. Simples e objetivo. Vale lembrar que não se trata de uma instituição de ensino ligada à igreja. Mal terminava de ler, me vi frente a frente com um grupo de meninas (com uns 17 anos), todas com uma coisa preta no meio da testa. Sabe quando a ficha demooooora a cair? Pensei em trote de universidade, pensei em uma nova moda, despedida de solteira, festinha de aniversário, mil coisas. Até que, tliiinnn…saquei!

As estudantes estavam com uma cruz de cinzas na testa. E assim como elas, uma grande parte das pessoas. Aonde quer que eu fosse, lá estavam as cruzinhas na testa do jovens, velhos, homens e mulheres. Na rua, na universidade, no boliche, no trabalho do meu noivo, nos restaurantes. Uma invasão de cruz negra na testa, daquelas de você se sentir mal por não estar com uma igual! rs

Fui atrás de explicações, claro, e descobri que este é um ritual suuuper praticado aqui neste dia. As pessoas vão à missa e recebem esta cruz, que simboliza arrependimento e um sinal de humildade perante a Deus. Está muito relacionado aquela passagem que diz “das cinzas veio, às cinzas vai”, ou seja, vamos todos pro mesmo lugar, portanto, somos todos iguais.

O Brasil é um país cheio de tradições, cultos, religiões e costumes. Tem o maior percentual de católicos do mundo (68% da população, número que já foi de 99%), mas eu, sinceramente, nunca tinha visto isso antes. Pode até ser que haja isso, mas seria uma grande surpresa pra mim.

Enfim, vivendo e aprendendo! Mais uma pro nosso “álbum” de experiência e conhecimentos novos.

O assombroso novo

Padrão

Esta semana senti novamente aquele medinho, frio na barriga por ter que enfrentar uma nova situação. Passei três dias em um evento sobre investimentos, em outro estado, a convite de uma empresa. Mais do que acompanhar as discussões, fui fazer a cobertura de algumas palestras para a empresa organizadora. Para não perder o costume e para que pudessem conhecer meu trabalho, aceitei a oferta. Também pelo desafio de cobrir um tema novo, em outro idioma e, claro, para conhecer pessoas interessantes por lá. Ainda que esteja super acostumada a este tipo de evento, de cobertura, de networking, não pude evitar a sensação de insegurança, um frio na barriga e pensamentos passageiros de “não vou enfrentar essa”. Foi como seu eu estivesse fazendo aquilo pela primeira vez. Um misto de adrenalina boa com um medo.

Foi um novo e interessante desafio. Ouvir debates sobre um tema tão específico, com dados, números, nomes que jamais havia ouvido, em inglês, com tradução em espanhol. Esse foi o cenário! Não foi fácil, claro. E certamente não fiz tudo o que poderia fazer em condições normais de temperatura e pressão! E daí, né!? É preciso ter paciência e se dar um tempo (este é tema de um post que está por vir).

Também foi bom pra confirmar uma coisa que eu já sabia e que aprendi com uma história que ouvi de uma executiva super conceituada, que em determinado momento resolveu dar uma pausa temporária na carreira. Ela me contou que muitas pessoas com quem se relacionava quando estava no mundo corporativo nem sequer respondiam mais os e-mails ou telefonemas dela na fase sabática. Tempos depois ela voltou ao mercado, a frente de várias empresas. Nada como um dia após o outro, né!? Hoje, ela diz que procura escrever e atender a todos que a procuram, independente de quem seja. Senti isso na pele. Não com pessoas conhecidas, mas com quem estava conhecendo. Algumas delas, quando viam que eu, supostamente, não podia “ajudar”, subitamente se desinteressavam, pediam licença e se retiravam. Me faz rir. Uma pessoa, inclusive, eu estava super interessada, pois tem uma história bacana, um perfil bacana pra oferecer a revistas do Brasil. Mas ela nem sequer me deu seu cartão (mas deu ao pessoal da mesa em que almoçávamos).

Quem quer mudar precisa ter isso em mente, saber que esses medos vão ficar mais frequentes e que muita gente não vai te dar mais tanta bola. Não importa! Para quem não mudou, cuidado com as relações interesseiras e a visão pequena…amanhã esta pessoa pode ser seu chefe ou um player importante para você. Como eu já tinha tudo isso em mente, é sempre mais fácil digerir os sapos e, por isso, passo a frente este aprendizado. O importante é estar confortável e bem resolvido com sua decisão e seguir encarando, dia-a-dia estas borboletas na barriga!

Mudar nos negócios também é preciso

Padrão

Esta semana li um texto no Linkedin que achei bem bacana. Era sobre o sucesso da Starbucks na China. Antes de vir pra cá não conhecia a fundo o case da empresa, mas aqui a leitura do livro que conta esta história é leitura obrigatória para os estudantes de marketing. O texto que li conta porque a cafeteria americana tem hoje a China como principal mercado depois dos Estados Unidos, feito que as concorrentes não conseguiram fazer. Basicamente porque ela buscou uma forma de adaptar seu negócio ao país e não impor o modelo original. Parece simples, mas não é. Vale a leitura!

Why Starbucks suceed in China

O tema “mudança” aqui, por motivos óbvios, está muito relacionado à mudanças radicais de estilo de vida, de profissão, etc. Mas não podemos esquecer que para mudar não necessariamente precisamos fazer rupturas radicais e que a necessidade de dar uma renovada se aplica a tudo na nossa vida, inclusive à nossa maneira de atuar e ver as coisas no trabalho.

Nos 7 anos que trabalhei com o mundo executivo, mais do que acompanhar profissionais trocando de emprego e estilo de vida, acompanhei também a chegada do discurso da inovação ao mercado, desde o blablablá sem profundidade que ronda um novo termo, até o amadurecimento do conceito e o momento em que de fato começou a sair do papel e se tornar prática nas empresas (não preciso dizer que o profissional e/ou empresa que não muda, morre, fica pra trás, certo?).

Vi desde negócios que há anos batem na mesma tecla e se recusam ou demoram muito para mudar, como se não enxergasse o seu entorno (seja em práticas de gestão do negócio e das pessoas ou nos próprios produtos). Empresas mais conservadoras e que, por isso, fazem mudanças mais lentas. E também empresas com uma capacidade de renovação impressionante e um baita foco em mudança e inovação, em todas as áreas da empresa.

Por trás de tudo isso, claro, estão os profissionais que fazem tudo acontecer e, via de regra, que têm o mesmo perfil de suas empresas (afinal, é o que elas tem cada vez mais buscado na hora de contratar alguém, pelo menos no Brasil). Não a toa conheci muitas histórias de pessoas que foram mandadas embora justamente por estar em descompasso com a empresa, seja por não ter acompanhado o ritmo das mudanças ou por ter ido rápido demais ao querer impor transformações para as quais a companhia não estava preparada e nem disposta a fazer. Por isso, reitero que mudar, seja na vida, de carreira ou nos negócios é vital. Cabe apenas escolher a intensidade e frequência com que vai fazer isso – e a empresa/negócio que mais tem a ver com você, para não se sentir nem pressionado nem entediado demais (menos ainda afundar junto, claro!).

Nunca é tarde para mudar! Meu avô que o diga…

Padrão

Ouço muita gente dizendo: “ah, perdi o timing, não tenho mais idade para mudar”. Concordo que as dificuldades de mudar – seja lá o que for – podem ser maiores dependendo não só de idade, mas condição social, momento de vida, etc. Quem tem filho, por exemplo, tem que pensar pelo menos duas vezes antes de tomar qualquer decisão de mudança, pois deve levar em conta os impactos disso para os herdeiros! Mas SEMPRE é tempo de mudar, se isso for uma vontade!

Exemplo disso é meu avô, que tem quase 80 anos. Verdade que ele nunca foi aquele estereótipo de avô, calminho, com chapéu, sentado no sofá da sala vendo TV no domingo à tarde. Não, definitivamente! Minhas mais remotas lembranças de infância (boa parte ao lado dele e da minha avó, que cuidavam de mim durante o dia, enquanto meus pais trabalhavam) são dele pendurado em uma árvore, dando cambalhotas, tocando violão, dançando ou concertando alguma coisa em casa (sempre eram aqueles concertos “puxadinho”, mal sucedidos! rs). Isso sem contar sua, digamos, inquietude com as mulheres. Mas isso é melhor deixar pra lá.

O fato é que meu avô está sempre nos surpreendendo (para o bem e para o mal, também é verdade..rs). Mas o que faz dele um exemplo e um caso a ser contado aqui é que, contrariando sua idade, tem coragem de mudar, à sua maneira. Recentemente comprou um computador e entrou nas aulas de computação. Semana passada saiu distribuindo pela família sua primeira conquista: seu e-mail. E ontem, fui surpreendida por um convite dele para o Messenger…revolucionário. Certeza que logo, logo vem o Facebook e o Skype!!! Uma pessoa de quase 80 anos tem bem menos conhecimento, interesse, habilidade e, por que não, necessidade de lidar com as “novas” tecnologias. Mas ele não! Foi contra o senso comum e aí está, cada vez mais conectado ao mundo!

Para quem está familiarizado com tudo isso, nada de mais! Mas para mim ele é um exemplo de que mudar é perfeitamente possível, com 10, 20, 30 ou 100 anos. Neste caso estamos falando de uma mudança na forma de ver o mundo. Tomara que, neste caso, a genética me ajude, porque eu quero ter exatamente esta vontade de desfrutar da vida e buscar coisas novas, assim como ele tem! Um orgulho!