Category Archives: excesso de trabalho

Você quer virar estatística???

Padrão

As pessoas realmente estão infelizes no trabalho. Fato!

Digo isso com tanta certeza, porque, além da minha experiência depois de 7 anos trabalhando com profissionais e suas carreiras, tenho notado que de cada 3 buscas que as pessoas fazem no Google e chegam ao meu blog, 1 é pelo tema “trabalho escraviza” (tema que abordei no post O trabalho dignifica ou escraviza o homem?). Acompanho diariamente a audiência do site e ao menos 1 vez por dia alguém acessa o blog por este caminho. Mesmo sabendo disso, esse dado é assustador pra mim!

Uma pesquisa recente da Universidade de Londres divulgada no final de janeiro comprovou que trabalhar mais do que 11 horas diárias duplica as chances de um profissional ter depressão. A situação, segundo a pesquisa, é ainda mais crítica entre jovens (que estão em começo de carreira e precisam provar, para si e para os demais, que são competentes) e mulheres (que acumulam mais tarefas fora do trabalho, como cuidar da casa e dos filhos). Por outro lado, Organização Mundial de Saúde (OMS), desde 1994, já estimava cerca de 157 milhões/ano de novos casos de depressão relacionadas a sobrecarga de trabalho. E o Brasil é o campeão de depressão, segundo divulgou a OMS em julho do ano passado.

Pouco antes de sair do trabalho, tomei contato com o tema opt out, estudado pela professora Tânia Casado, da FEA-USP. Ele se refere ao movimento de saída ou rompimento radical dos profissionais com o mundo corporativo tradicional. Ou seja, aquelas pessoas que jogam tudo pro alto, porque estão saturadas do modelo e da pressão no escritório. Quantos casos de profissionais que mudam radicalmente de rumos você conhece? Eu tenho ouvido cada vez mais casos assim. O problema, segundo as pessoas com quem falei, é ainda maior nas mulheres, que, como citei acima, se sente cobrada por todos os seus papéis na vida: mulher, profissional, mãe, esposa, etc. O problema, segundo e contou o Rafael Souto, da consultoria Produtive (ele está super interessado e envolvido com este tema), o problema é que as pessoas deixam o estresse chegar a tal ponto que de uma hora para outra explodem e jogam tudo para o alto, sem planejamento, no calor do momento. Em muitos casos, umas férias resolveriam. Sabe assim? Resultado: boa parte das pessoas se arrependem e, muitas vezes, acabam enfrentando mais dificuldades de voltar ao mercado. Se você se interessou pelo opt out, a VOCÊ S/A (acho que a deste mês, se não me engano) fez esta reportagem.

Então, se você tem um trabalho que causa mais estresse do que traz satisfação e benefícios, não empurre a mudança com a barriga. Trabalho é fonte de renda, sim, mas também tem que trazer realização.

E pra quem está a ponto de explodir, se sente cada dia mais desanimado (a) e estressado. Cuidado! Tire uns dias de descanso para colocar as ideias no lugar e, assim, tomar melhores decisões. Porque mudar é bom, mas tem suas dificuldades e, se não planejada, pode ser um remédio beeem amargo!

É isso que você quer para o resto da sua vida?

Vídeo

Vi este vídeo ontem a noite no Facebook de um amigo, o Vlad. Achei genial e compartilho com vocês!

Se é assim que você se sente todo dia ao se levantar pra ir ao trabalho ou, de maneira geral, em relação à sua vida como um todo, será que não está na hora de mudar????

Ou você quer passar o resto dos seus dias desperdiçados com este marasmo, deixando as coisas rolarem ao seu lado sem que ao menos se dê conta????

Está na sua mão!

O trabalho dignifica ou escraviza o homem?

Padrão

20111122-185919.jpg

Os profissionais brasileiros são campeões quando o assunto é jornada de trabalho extensa. 60% dos empregados trabalham mais de 8 horas. Em seguida estão os mexicanos, seguidos dos peruanos, neo-zelandeses e indianos, nesta ordem. Esta pesquisa, da empresa de escritórios virtuais Regus, foi publicada na semana passada em um jornal gratuito daqui.

Isso não é novidade, claro. Só corrobora com o que presenciamos no dia a dia. E, fato, muito difícil conseguir trabalhar apenas as 8 horas diárias estabelecidas pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). No Brasil eu tinha uma rotina tão doida na redação, que só hoje consigo ter clareza sobre os efeitos dela no meu corpo e na minha cabeça. Motivos mil: carga de trabalho puxada, muitas vezes, falta de organização com as tarefas do dia, muita reunião ou, simplesmente, a paixão pelo o que fazia, que me levava a ficar horas a mais por ali, só pra ver um projeto sair do papel.

Acho que isso acontecia comigo e acotece com estes mais de 60% de profissionais que não trabalham pra viver, mais vivem pra trabalhar (clichê, mais é o que acontece). Hoje, vivendo uma outra realidade neste meu, digamos, sabático, vejo isso com mais clareza. Dentro do meu projeto de vida “México”, tirar o pé do acelerador e reaprender a ter uma relação boa com o trabalho, redescobrindo hobbies, paixões, buscando formas diferentes de aprender e, por que não, me conhecendo melhor!

Não vou dizer que está sendo fácil. Nem um pouco. As vezes me sinto como um carro que vinha a 150 quilômetros por hora em uma estrada e que, repentinamente, bateu em um poste. Parada brusca. Há dias de tristeza, de dúvida, de irritação e, sim, de alegria e paz. Acho que é normal. O importante é sentir que, aos poucos, estou atingindo meu propósito. E essa sensação,sim, é impagável.

Claro que quando voltar ao Brasil ou ao mercado, certamente haverá dias com horas extras, finais de semana de trabalho, mas tenho certeza de que o resto da minha vida terá um ouro gostinho, que talvez eu não conhecesse sem esta mudança. E aí, por que não tentar?