Tag Archives: aniversário

Tradições de aniversário mexicanas

Padrão

Em tempo. Comemorar aniversário, imagino, não deve variar tanto de país para país. imagino que no oriente, sim, deve ter suas peculiaridades, mas nas bandas ocidentais, a base é a mesma. Mas, pequenas ou grandes, o fato é que estas variações acabam fazendo nosso dia mais feliz quando mudamos de ares e estamos longe da família. Pelo menos fizeram o meu. Então neste post vou contar a vocês as pequenas diferenças (pelo menos as que notei) entre as comemorações de aniversário no Brasil e no México.

A começar pelo “parabéns a você”! Não espere encontrar aqui no México a musiquinha clássica pra hora de cortar o bolo, nos restaurantes ou coisa do tipo. A música entoada aqui pra celebrar os aniversariantes é “Las Mañanitas”. Não se sabe bem a origem da música, ninguém sabe quem foi e qual a importância do Rei Davi cantado ali, mas o fato é que ela é a canção oficial destas datas. Pra quem quiser conhecer, segue uma das versões (são muitas!!!). Ah, como no meu aniversário estavam presentes um mexicano, uma francesa, uma colombiana e dois brasileiros, levamos alguns minutos cantando todas as versões, uma de cada país. Muy divertido!

Outra coisa que difere aqui é a tradição do “corte do bolo”. Pelo o que entendi não tem muito ritual, como escolher um lado, fazer pedido e dar o primeiro pedaço a alguém especial. Em compensação, o aniversariante TEM que comer o primeiro pedaço, digamos, de forma um pouco excêntrica….dando uma abocanhada no bolo inteiro. E, claro, reza a tradição que os espíritos de porco dão aquele “pedala” e acontece uma espécie de “torta na cara”. Segui a tradição e mordi o bolo. Mas com a promessa de que ninguém me afundaria a cara. Deu quase certo, como vocês podem ver abaixo.

Aqui no México a tradição diz que o aniversariante tem que morder o bolo antes de todo mundo...não se pode ir contar as tradições, não é!?

Ah, uma outra coisa em relação ao bolo é que o aniversariante não pode ser quem vai cortar e distribuir os pedaços. Nem o primeiro nem nenhum outro. Parece que dá azar. Costume é costume. Cortei o primeiro pedaço, dei de presente (como no Brasil) e depois fiquei só acompanhando (como no México).

Por fim, tem as piñatas. Ela é mais comum em aniversário de criança. Não vou dizer que não quis usar. Mentira! Queria tudo que tinha direito, mas infelizmente não dei tempo! Nas festinhas infantis ela é presença obrigatória. Tem a tradicional (em forma de estrela de 6 ou 8 pontas) e as de personagens (pra todos os gostos). Pra quem assistiu Chaves na infância sabe do que eu estou falando. É uma espécie de boneco ou forma geralmente de papel marché, cheia de doces e brinquedos. O aniversariante e convidados (não tenho certeza) têm seus olhos vendados e têm que acertar a piñata com um bastão. A ideia é que ela quebre e tenha uma chuva de comidinhas! A origem da piñata é uma história bem legal, mas vai ficar pra um outro post.

As piñatas são indispensáveis nos aniversários (especialmente infantis) por aqui. Tem desde as mais tradicionais (duas primeiras) até as mais arrojadas, de personagens famosos

Se alguém conhecer outras tradições de aniversário de outros países, escreva pra contar!!!

Anúncios

Finalmente 30!

Padrão

Demorou, mas oficialmente hoje entro na casa dos 30! Quando era mais nova, a chegada aos 30 era quase um tabu. Não sei bem ao certo, mas acho que naquela época imaginava que nesta idade estaria casada, com uns 3 filhos (grandes), enfim. Mal imaginava quanta coisa ia rolar até aqui!

Nestes últimos dias tenho feito uma retrospectiva da minha vida. E confesso que a ficha não caiu. Ter 30 anos ainda é algo distante. Não que eu tenha problemas com a idade, ao contrário. Conheço muita gente que se arrepia com o assunto. E até por conta disso, estive pensando sobre o que representa ter finalmente entrado pra casa dos trintão. Queria entender se eu tenho motivos para também me preocupar (rs). E mais uma vez, depois de filminhos e mais filminhos passando na cabeça, concluí o óbvio: tirando umas marcas de expressão e outras cositas más, tá tudo igual!

Conheço gente com 20 e poucos muito maduras e verdadeiramente envelhecidas pela forma como encaram a vida. Também não me faltam exemplos de pessoas com 30 (ou mais), que parecem não ter aprendido nada e ainda se comportam como adolescentes (acho que estes casos são piores do que os primeiros…triste!). Enfim. O que quero dizer é que idade não tem nada a ver com maturidade, bagagem, jovialidade ou velhice. O que importa mesmo é a forma como conduzimos nossos dias, nossas experiências, nossos aprendizados, nossa vida. Há quem prefira encarar tudo isso de frente e, dia após dia, subir um degrau. Tem também aqueles que preferem se esconder, ignorar as chances de crescer e deixar a vida passar. E acho que, no final das contas, é este descaso com o tempo e com as oportunidades que está por trás das crises de idade. É a sensação (ou constatação) de que o tempo passou e muita coisa não foi feita.

Não vou dizer que quando olho pra trás não sinto um pouco disso. Seria mentira! Quem não mudaria alguma coisa na sua trajetória que atire a primeira pedra. Mas de forma geral, me sinto feliz e satisfeita com meus passos, escolhas, erros e acertos até aqui. Por escolha, não estou casada e nem tenho filhos, como imaginava. Não moro perto da minha família, não sou rica e, hoje, estou trabalhando por conta própria, Tomei outros caminhos antes. E é essa sensação de controle da própria vida que conforta e me enche de satisfação.

Bom, desculpe o longo texto e possíveis erros no texto ou na conexão das ideias. Estou escrevendo este texto de madrugada (aqui são 01h23 do dia 01/03/2012, me aniversário), morta de sono, justamente pra registrar e compartilhar com vocês meus primeiros sentimentos neste novo ciclo, neste velho-novo rumo! Que venham os caminhos futuros e os próximos 30 anos!!!