Tag Archives: novo

Finalmente 30!

Padrão

Demorou, mas oficialmente hoje entro na casa dos 30! Quando era mais nova, a chegada aos 30 era quase um tabu. Não sei bem ao certo, mas acho que naquela época imaginava que nesta idade estaria casada, com uns 3 filhos (grandes), enfim. Mal imaginava quanta coisa ia rolar até aqui!

Nestes últimos dias tenho feito uma retrospectiva da minha vida. E confesso que a ficha não caiu. Ter 30 anos ainda é algo distante. Não que eu tenha problemas com a idade, ao contrário. Conheço muita gente que se arrepia com o assunto. E até por conta disso, estive pensando sobre o que representa ter finalmente entrado pra casa dos trintão. Queria entender se eu tenho motivos para também me preocupar (rs). E mais uma vez, depois de filminhos e mais filminhos passando na cabeça, concluí o óbvio: tirando umas marcas de expressão e outras cositas más, tá tudo igual!

Conheço gente com 20 e poucos muito maduras e verdadeiramente envelhecidas pela forma como encaram a vida. Também não me faltam exemplos de pessoas com 30 (ou mais), que parecem não ter aprendido nada e ainda se comportam como adolescentes (acho que estes casos são piores do que os primeiros…triste!). Enfim. O que quero dizer é que idade não tem nada a ver com maturidade, bagagem, jovialidade ou velhice. O que importa mesmo é a forma como conduzimos nossos dias, nossas experiências, nossos aprendizados, nossa vida. Há quem prefira encarar tudo isso de frente e, dia após dia, subir um degrau. Tem também aqueles que preferem se esconder, ignorar as chances de crescer e deixar a vida passar. E acho que, no final das contas, é este descaso com o tempo e com as oportunidades que está por trás das crises de idade. É a sensação (ou constatação) de que o tempo passou e muita coisa não foi feita.

Não vou dizer que quando olho pra trás não sinto um pouco disso. Seria mentira! Quem não mudaria alguma coisa na sua trajetória que atire a primeira pedra. Mas de forma geral, me sinto feliz e satisfeita com meus passos, escolhas, erros e acertos até aqui. Por escolha, não estou casada e nem tenho filhos, como imaginava. Não moro perto da minha família, não sou rica e, hoje, estou trabalhando por conta própria, Tomei outros caminhos antes. E é essa sensação de controle da própria vida que conforta e me enche de satisfação.

Bom, desculpe o longo texto e possíveis erros no texto ou na conexão das ideias. Estou escrevendo este texto de madrugada (aqui são 01h23 do dia 01/03/2012, me aniversário), morta de sono, justamente pra registrar e compartilhar com vocês meus primeiros sentimentos neste novo ciclo, neste velho-novo rumo! Que venham os caminhos futuros e os próximos 30 anos!!!

Anúncios

México, um país, muitas crenças

Padrão

Ontem foi quarta-feira de cinzas. Ainda que não tenha aqui AQUELE carnaval do Brasil e esta tenha sido uma semana como qualquer outra, a data religiosa foi lembrada e celebrada em terras mexicanas. Eu já sabia sobre este “festejo”, mas só ontem é que me dei conta da proporção.

A primeira menção à data com que me deparei foi uma grande faixa, quase na entrada da minha universidade, com uma pequena foto de Cristo carregando a cruz e abaixo escrito “miércoles de ceniza”. Simples e objetivo. Vale lembrar que não se trata de uma instituição de ensino ligada à igreja. Mal terminava de ler, me vi frente a frente com um grupo de meninas (com uns 17 anos), todas com uma coisa preta no meio da testa. Sabe quando a ficha demooooora a cair? Pensei em trote de universidade, pensei em uma nova moda, despedida de solteira, festinha de aniversário, mil coisas. Até que, tliiinnn…saquei!

As estudantes estavam com uma cruz de cinzas na testa. E assim como elas, uma grande parte das pessoas. Aonde quer que eu fosse, lá estavam as cruzinhas na testa do jovens, velhos, homens e mulheres. Na rua, na universidade, no boliche, no trabalho do meu noivo, nos restaurantes. Uma invasão de cruz negra na testa, daquelas de você se sentir mal por não estar com uma igual! rs

Fui atrás de explicações, claro, e descobri que este é um ritual suuuper praticado aqui neste dia. As pessoas vão à missa e recebem esta cruz, que simboliza arrependimento e um sinal de humildade perante a Deus. Está muito relacionado aquela passagem que diz “das cinzas veio, às cinzas vai”, ou seja, vamos todos pro mesmo lugar, portanto, somos todos iguais.

O Brasil é um país cheio de tradições, cultos, religiões e costumes. Tem o maior percentual de católicos do mundo (68% da população, número que já foi de 99%), mas eu, sinceramente, nunca tinha visto isso antes. Pode até ser que haja isso, mas seria uma grande surpresa pra mim.

Enfim, vivendo e aprendendo! Mais uma pro nosso “álbum” de experiência e conhecimentos novos.

O assombroso novo

Padrão

Esta semana senti novamente aquele medinho, frio na barriga por ter que enfrentar uma nova situação. Passei três dias em um evento sobre investimentos, em outro estado, a convite de uma empresa. Mais do que acompanhar as discussões, fui fazer a cobertura de algumas palestras para a empresa organizadora. Para não perder o costume e para que pudessem conhecer meu trabalho, aceitei a oferta. Também pelo desafio de cobrir um tema novo, em outro idioma e, claro, para conhecer pessoas interessantes por lá. Ainda que esteja super acostumada a este tipo de evento, de cobertura, de networking, não pude evitar a sensação de insegurança, um frio na barriga e pensamentos passageiros de “não vou enfrentar essa”. Foi como seu eu estivesse fazendo aquilo pela primeira vez. Um misto de adrenalina boa com um medo.

Foi um novo e interessante desafio. Ouvir debates sobre um tema tão específico, com dados, números, nomes que jamais havia ouvido, em inglês, com tradução em espanhol. Esse foi o cenário! Não foi fácil, claro. E certamente não fiz tudo o que poderia fazer em condições normais de temperatura e pressão! E daí, né!? É preciso ter paciência e se dar um tempo (este é tema de um post que está por vir).

Também foi bom pra confirmar uma coisa que eu já sabia e que aprendi com uma história que ouvi de uma executiva super conceituada, que em determinado momento resolveu dar uma pausa temporária na carreira. Ela me contou que muitas pessoas com quem se relacionava quando estava no mundo corporativo nem sequer respondiam mais os e-mails ou telefonemas dela na fase sabática. Tempos depois ela voltou ao mercado, a frente de várias empresas. Nada como um dia após o outro, né!? Hoje, ela diz que procura escrever e atender a todos que a procuram, independente de quem seja. Senti isso na pele. Não com pessoas conhecidas, mas com quem estava conhecendo. Algumas delas, quando viam que eu, supostamente, não podia “ajudar”, subitamente se desinteressavam, pediam licença e se retiravam. Me faz rir. Uma pessoa, inclusive, eu estava super interessada, pois tem uma história bacana, um perfil bacana pra oferecer a revistas do Brasil. Mas ela nem sequer me deu seu cartão (mas deu ao pessoal da mesa em que almoçávamos).

Quem quer mudar precisa ter isso em mente, saber que esses medos vão ficar mais frequentes e que muita gente não vai te dar mais tanta bola. Não importa! Para quem não mudou, cuidado com as relações interesseiras e a visão pequena…amanhã esta pessoa pode ser seu chefe ou um player importante para você. Como eu já tinha tudo isso em mente, é sempre mais fácil digerir os sapos e, por isso, passo a frente este aprendizado. O importante é estar confortável e bem resolvido com sua decisão e seguir encarando, dia-a-dia estas borboletas na barriga!

Não basta mudar, é preciso também abrir a cabeça

Padrão

Sumi, não nego. Mas é que esta nova vida de estudante, profissional, “esposa” e responsável por uma casa (pra não dizer dona de casa) bagunçou minha rotina (que já estava quase encaminhadinha). Mas, aos poucos coloco meu dia-a-dia nos trilhos.

Já passei fases piores, mas confesso que há dias que tudo isso me causa muita ansiedade: por não conseguir fazer tudo o que quero, por não estar ainda no ritmo que eu gostaria, enfim. Mas esta semana ouvi de dois profissionais que respeito muito que tudo isso é normal e que é preciso mais do que três meses pra que estas coisas comecem a acontecer. Isso me deixa um pouco mais aliviada e com a missão de gerenciar minha ansiedade – ponto importantíssimo para quem quer mudar ou já fez uma mudança.

Mas em uma destas conversas que tive esta semana com a Nany, uma querida amiga (que além de uma pessoa com uma bagagem incrível, tem experiência em mudanças e suas implicações, já que viveu isso ao lado do marido, o Nélio, história que já contei aqui) me fez acender uma luz amarela. Ela me disse uma coisa que ainda não tinha pensado: quando mudamos de vida, de trabalho, de rotina ou o que quer que seja, uma forma natural de lidar com isso é nos mantermos presos aos nossas antigas crenças e costumes. Eu particularmente acho que essa é uma maneira inconsciente de nos sentirmos seguros diante de transformações muito grandes.

Enquanto ela falava, eu fazia uma análise rápida dos meus últimos três meses. E percebi que tenho feito isso! Mesmo tendo mergulhado de cabeça nesta mudança e esteja super contente com minha escolha, para algumas coisas minha cabeça continua funcionando da mesma forma. Ainda tenho na cabeça o perfil da “Renata antiga”, continuo lendo revistas de negócio e carreira como se fossem meus únicos interesses, esperando os mesmos resultados que tinha anteriormente e tentando repetir aqui no México meu modelo de vida antigo no Brasil. Isso é um erro, claro! Fazendo isso posso estar deixando passar outras oportunidades que não estou enxergando, porque continuo com os “óculos do passado”. Afinal, vivo dizendo aqui que mudar é se abrir ao novo (o que de fato acredito). Mas percebi que caí na armadilha da mudança, como boa parte das pessoas que mudam.

O desafio agora é maior, porque além de pensar coisas novas, como tenho feito, preciso me policiar para que meus velhos moldes não sabotem meus novos rumos em construção. Assim como a Nany me acendeu a luz (obrigada, minha amiga!) para isso, espero que este post também seja útil para quem quer dar uma virada (ou já a fez). Mais do que mudar de rumos, é preciso que a cabeça vá para o mesmo lado! #ficaadica

Uma hora a ficha cai

Padrão

Bom, primeiro desculpe pelo sumiço. Confesso, esta coisa de festas, ceia, deu preguiça! Mas nesta correria toda, véspera da chegada de um novo ano, tenho pensado sobre muitas coisas. Uma delas é a certeza cada vez maior de que a gente se acostuma com tudo. Nossa ansiedade no meio de uma mudança é tão grande que as vezes não somos capazes de perceber quando as coisas já se acalmaram. Essa ficha caiu no dia 25 agora, dia de natal.

Pra mim o natal sempre foi uma festa gostosa e familiar. Sempre foi da mesma forma: véspera com a família do meu pai e 25 com a da minha mãe. Passava o ano todo esperando esta data e tinha verdadeiros pesadelos toda vez que pensava na possibilidade deste “ritual” mudar. Aos poucos realmente foi mudando. Mas nos últimos dois anos a mudança foi radical. Em 2010 passei meu primeiro natal longe de casa, da minha família. As semanas que antecederam minha viagem pra passar as festas aqui com meu noivo foram angustiantes. Como acontece na maioria das vezes, apesar de uma tristezinha, na hora do “vamos ver” foi mais tranquilo do que imaginei. Mas, este ano, apesar da saudade, foi diferente. É como se essa fosse minha nova realidade. Um novo ritual nasceu!

O que quero dizer é que muitas vezes criamos monstros para dar forma ao ‘novo’. Com isso, deixamos de viver coisas diferentes por puro medo de não se adaptar, medo de alguma coisa que não sabemos exatamente como vai terminar, por não querer abrir mão das nossas certezas, enfim. Um pouco do que tenho falado aqui desde que comecei a escrever o blog. Mas neste natal, me dei conta mais uma vez, de que quando a gente arrisca, passado aquele turbilhão de sensações inicial, as coisas naturalmente se encaixam. E, quando menos se espera, nos damos conta de que aquela nova vida, rascunhada e caricaturada até ali, se tornou nosso “roteiro original”, que pode ser tão ou mais instigante do que o anterior. Essa sensação é única, garanto!

Nota

Engraçado observar como nada é absoluto. Nem nossa vida, nem nossas convicções, que dirá nosso emprego (este, aliás, menos ainda). Por isso bato na tecla de que mudar, ou pelo menos se abrir para o novo, é fundamental.

Há alguns meses, como jornalista, eu estava no papel de entrevistadora de pessoas, contadora de histórias. Hoje, vivo o papel de entrevistada, pelo meu competentíssimo amigo headhunter, Marcelo Cuelar. Ele, aliás, foi muitas vezes entrevistado por mim. Uma inversão de papéis bacana!!! =o)

Quando ele me propôs este “papo”, depois de ler meu blog, nem hesitei. Ele queria mostrar o caso real de alguém que fez uma mudança. E o resultado está aqui no Na Mira do Headhunter. Perguntas muito habilidosas! Vale a pena ler (e acompanhar o blog dele!!!)!

Ironias da vida

Quando a vida chama

Padrão

Bom, pra explicar. Meu namorado recebeu um convite de expatriação para o México. Casa de ferreiro, espeto tem que ser de ferro. Não tinha outra reação a não ser apoiar, afinal, esta é uma experiência profissional incrível, como muitas vezes escrevi aos leitores. Mas, e eu?
O nome original deste blog seria Quando a vida chama (mudei porque achei muito nome de novela mexicana….piada pronta demais!), justamente porque é assim. Não temos controle sobre tudo e quando você imagina que as coisas estão indo para determinado lado….ela chama! As vezes com dor, as vezes com amor, mas ela chama. E ela me chamou, afinal, morar fora do país sempre foi uma vontade. Um desejo que eu esboçava, rabiscava na cabeça, ameaçava, mas sempre me sabotava (inconscientemente, claro), pelo medo do novo. Acho que todo mundo tem certa resistência pra mudar. Uns encaram prontamente, outros demoram um pouco mais e outros nem sequer cogitam esta possibilidade – me encaixo na segunda “categoria”.
Decidi mudar, sim, com cautela, com preparação (só depois vi que isso era bobagem, porque por mais tempo que se tenha, sempre ficam pendências). E estou aqui hoje, com frio na barriga, sim, mas disposta a aprender o que a vida reservou pra mim quando me chamou para esta nova caminhada, este novo rumo. O que será que vem pela frente??? “Bora” lá descobrir!!!!

Em tempo, muito obrigada por todas as mensagens de carinho, de apoio e aos meus primeiros “seguidores” do blog!!! Tomara que eu não decepcione!!! =o)