Tag Archives: rumo

Fora do planejado

Padrão

Que mudar é bom, desenvolve mil competências, etc etc, não é preciso dizer. Já abordei isso em diversos textos aqui no blog. Mas é preciso lembrar que mudar também gera desconfortos, e em alguns casos não são poucos!

O incômodo de mudar pode variar de intensidade, de acordo com vários fatores (tipo de mudança, disposição pra ela, riscos, entre outros), mas é bom ter em mente que sempre vai estar lá, de uma forma ou de outra. No meu caso mais recente de volta ao Brasil, o desconforto tem sido grande, porque muita coisa estava envolvida. Meu ciclo mexicano ainda não tinha fechado, havia muita expectativa construída em relação à volta para o Brasil. E esse último ponto é algo que temos que gerenciar, cuidar, porque planejar é bom, mas ter altas expectativas pode ser uma prisão, uma vez que elas podem cegar e fazer com que não tenhamos flexibilidade suficiente pra aceitar o novo, mais novo do que havíamos imaginado.

Os planos de volta (casa nova, emprego, rotina) já estavam traçados na minha cabeça, quando um dia tudo mudou. As coisas começaram a tomar outro rumo, oposto ao que eu tinha planejado, novas e diferentes oportunidades estavam pintando e as coisas estavam saindo daquele cenário idealizado. “E a casa nova? E aquele trabalho que eu estava ‘namorando’?”. Aceitar voltar ao Brasil pra um lugar que não fosse São Paulo, em um cenário totalmente diferente do que havia construído não foi nada fácil. Foi sofrido, angustiante. Conheci um lado muito mais difícil das mudanças.

Tem também a questão da perda de referência. Não tem mais normal e estranho, não tem modo certo de fazer, não tem mais rotina (reclamamos dela, mas sua ausência mínima por muito tempo pode ser complicado). Não tem “é assim que eu faço”. Tem “como eu posso fazer agora”.

Mas ainda assim, resolvi encarar mais essa, me jogar em um buraco ainda mais escuro e amedrontador do que todos nos quais já havia me jogado até hoje. Viemos morar no RJ, tive que me acostumar à ideia de não morar no meu apê novinho em folha, em uma cidade com hábitos e estilos totalmente diferentes dos meus, em um mercado diferente do que estava acostumada e com menos oportunidades engatilhadas do que antes, enfim. Uma verdadeira reconstrução – maior do que à ida ao México.

Imagino que muita gente, em proporções diferentes, passem e sintam isso. Especialmente as mulheres, que, ainda hoje, acompanham mais os maridos em suas mudanças por trabalho e que, muitas vezes, precisam abrir mão de expectativas (e também coisas concretas, como emprego) e se reinventar a cada novo cenário que se apresenta. Não é tarefa fácil, desgasta e as vezes desanima. Mas, de coração, tenho certeza de que vale cada segundo, vale cada incerteza, vale cada desconstrução. Porque tudo isso faz crescer, cria calos, dá flexibilidade, versatilidade, e acarreta uma reconstrução permanente. Um desenvolvimento intensivo!

Hoje estou aprendendo coisas novas a cada dia – e isso não é clichê ou frase de efeito, é real!!! Aprendendo que cada dia é, de fato, um novo dia; que nunca sabemos o que vem depois, e tudo bem com isso; que as coisas têm seu próprio tempo para acontecer e que, por conta disso, devemos, sim, planejar, mas sem pressa. Tudo isso, claro, é fato, mas não é fácil. Requer disposição e boa vontade pra aceitar o novo. E muita determinação pra não deixar o desânimo se instalar.

E, repito. Vale. Vale muito a pena! Vida nova, sempre!!!!

Anúncios

Sinais de mudança

Padrão

Cada vez ouço mais e mais as pessoas dizendo que precisam mudar. Acho que diversos fatores contribuem para isso, mas certamente um deles é a maior disponibilidade para isso (mais oferta de emprego, maior facilidade de viabilizar viagens, mais exemplos a serem seguidos, etc). Mudar é legal, mas como sempre digo aqui, tem que ter um propósito. Não é mudar por mudar. Isso é impulsividade e pode resultar em uma mega frustração e arrependimento mais pra frente.

Uma coisa que sempre me intriga é: como saber se essa mudança está “fazendo efeito” e trazendo alguma mudança real pra mim? Que história vou contar quando voltar para o Brasil? E, de tanto pensar sobre isso e buscar respostas pra isso, resolvi listar alguns sutis sinais que podem indicar que você mudou (e que isso está, de alguma maneira, surtindo efeito na sua vida):

1. Frio na barriga: há algum tempo fiz um post sobre a oportunidade de reviver “primeiras vezes” (primeiro dia de trabalho, primeira saída de casa sozinho (a),…). Sentir esse friozinho na barriga por estar ‘estreando’ é um sinal de que sua mudança está mexendo com você, fazendo com que faça coisas diferentes

2. Medo e insegurança: também está relacionado ao frio na barriga. Quando ficamos muito tempo fazendo a mesma coisa, condicionados, não nos damos conta de que aquilo já não é mais um desafio. Sentir aquela insegurança é um sinal de que você está saindo da sua zona de conforto. Isso é bom.

3. Mudar velhos hábitos e pensamentos: talvez não seja fácil de notar, mas quando mudamos alguma coisa, automaticamente mudamos também hábitos e, as vezes, até crenças. Não significa que nos tornaremos outras pessoas, com outros valores. Longe disso. Mas você passa a se permitir fazer coisas que antes não fazia. E também deixa de querer coisas que queria antes. Você redefine suas prioridades de forma natural.

4. Querer mudar e mudar cada vez mais: costumo dizer que quem faz uma grande mudança na vida é picado pelo “mosquitinho da mudança constante”. Comigo foi assim e sinto isso observando outras pessoas que o fizeram. Se mudar é um grande paradigma – mesmo em diferentes situações e proporções – uma vez tomada a decisão, ela se torna algo mais corriqueiro e simples. É como se não houvesse mais limite e você fica aberto o mudar sempre que preciso. E a boa notícia é que isso acontece sem perceberemos, sem sofrimento.

5. Ah, o novo: por fim, tem a sensação de estar aprendendo coisas novas o tempo todo. Parece clichê, mas não é. Só hoje me dou conta de como não nos damos conta do momento em que batemos a cabeça no topo (não me refiro a cargos necessariamente, mas há diversos topos em diversas instâncias) e que já não aprendemos coisas novas. Mas quando mudamos de ares, é incrível esta sensação – até um pouco desesperadora, às vezes, pelo excesso de informação – de renovação.

Uma coisa que ouvi de um amigo antes de vir par cá e que virou meu lema: “Mudança boa é aquela que gera uma história pra contar”. Qual é (ou será) a sua?

 

(OBS: se alguém tiver tópicos extras pra adicionar, compartilha por comentário ou e-mail que eu publico no blog!!!!)

 

Conhecendo (e convivendo) uma triste realidade

Padrão

Na minha primeira vinda ao México já notei algo que, depois, soube que era uma realidade aqui, visível a olho nú: a desigualdade social. Nas ruas, nos supermercados, nos shoppings, aonde quer que vá está ali, pra quem quiser ver. Meu primeiro choque foi em uma festa no ano novo de 2010-2011. Restaurante bacana (acessível aos bolsos brasileiros, que valem uns 20% mais aqui), festa bonita e gente de grana. E aí estava o ponto. As únicas pessoas dali que tinham aqueles traços indígenas, condizentes com o estereótipo de mexicano que conhecemos, eram os garçons.

O que mais choca não é a diferença ou os traços físicos associados a isso, mas o fato de aqui não ter meio termo. Ou você é pobre ou é rico (ah, ou é milionário). Bom, como jornalista, provo isso com números. Em dezembro foi publicado em um jornal local que o gap entre ricos e pobres está crescendo ainda mais no México, um dos países com maior desigualdade social no mundo. A renda de 10% da população mais rica daqui é 26 (sim, 26!!!) vezes maior que a de 10% da população mais pobre.

Sempre achei que no Brasil ainda fôssemos muito preconceituosos (vide o tal caso do aluno da USP agredido por um policial), com muita diferença de classes. Mas esta foi uma das primeiras crenças que caíram por terra quando me mudei. Longe de mim fixar aqui com discurso nacionalista ou de crítica ao México, ao contrário. Quero apenas ressaltar como ao mudar de rumos, ganhamos novos horizontes, derrubamos tabus e, acima de tudo, aprendemos a ver as coisas com outros olhos. Um bem enorme pra vida e pra carreira, com certeza!